• Novidades

    Pacientes com retocolite ulcerativa têm nova opção de tratamento

    Anvisa aprova indicação de ustequinumabe para fases moderada à grave doença -- que é crônica, autoimune e altamente impactante para a qualidade de vida dos portadores


    Brasileiros com retocolite ulcerativa, doença crônica e altamente debilitante, acabam de ganhar uma nova opção de tratamento. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou nesta terça-feira mais uma indicação do medicamento biológico ustequinumabe, desenvolvido pela Janssen, empresa farmacêutica da Johnson & Johnson, para as fases moderada à grave da doença[i]. O tratamento já tem aprovação no Brasil para outras doenças autoimunes como psoríase, artrite psoriásica e doença de Crohn, e foi incluído recentemente no Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de psoríase em placas moderada à grave.

    A retocolite ulcerativa afeta a mucosa do intestino grosso e compromete significativamente a qualidade de vida dos pacientes, pois causa sintomas como diarreia acompanhada de muco e sangue, perda de peso e anemia[ii]. Nos casos mais graves, a doença é limitante e exige o controle rápido dos sintomas para prevenir danos irreversíveis ao intestino e possibilitar ao paciente a retomada de uma rotina funcional. A doença afeta principalmente jovens adultos na fase mais ativa da vida e tem prevalência de 28 casos a cada 100 mil habitantes, sendo que, em média, são confirmados sete novos casos a cada 100 mil habitantes todos os anos[iii].

    Uma parcela dos pacientes com retocolite ulcerativa grave precisa de cirurgia para retirar parte do intestino, já que as lesões causadas pela doença prejudicam o órgão de maneira irreversíve”, explica Fábio Lawson, Diretor Médico da Janssen Brasil.
     
    Daí a necessidade e a importância de oferecermos novas opções de tratamento que ajudem os pacientes a controlar melhor a doença e evitar cirurgias, completa.

    A nova indicação foi baseada no UNIFI, estudo randomizado de fase 3, que avaliou a resposta inicial (fase de indução) e a manutenção da terapia ao longo de um ano. As análises comprovaram que ustequinumabe é uma opção eficaz na cicatrização da mucosa do intestino de pacientes com retocolite ulcerativa moderada à grave que não demonstraram respostas adequadas ao tratamento convencional (aminossalicilatos, corticosteróides e/ou imunossupressores) e também à terapia biológica anteriormente disponível (anti-TNFs e anti-integrina). Os dados finais mostraram que até 43,8% dos pacientes que usaram o medicamento mantiveram a remissão da doença até a semana 44 do estudo, em comparação com 24% que usaram placebo. Aproximadamente 97% dos pacientes em remissão clínica ao final de um ano de tratamento estavam livres de corticoide[iv].

    Os medicamentos biológicos mais modernos, como o aprovado, agem diretamente na cascata inflamatória e fornecem resposta mais ágil e certeira à inflamação, aliviando mais rapidamente os sintomas e o quadro clínico do paciente, explica Rogerio Parra, médico coloproctologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. 

    A aprovação traz uma opção segura de monoterapia com posologia cômoda para aqueles pacientes que já tratam a doença com medicamentos convencionais e também para os que apresentaram falha aos tratamentos biológicos atualmente disponíveis, acrescenta.

    Os tratamentos aprovados para a doença até o momento consistiam em anti-inflamatórios específicos para o intestino, medicamentos imunossupressores e terapias biológicas, a depender do grau da doença. O ustequinumabe é o primeiro biológico aprovado para a doença a atuar seletivamente nas Interleucinas 12 e 23 (IL 12 / IL 23), bloqueando a resposta inflamatória, o que ajuda na cicatrização da mucosa do intestino, impedindo o avanço da doença e, consequentemente, a necessidade de cirurgia[v]. As reações adversas mais comuns identificadas com o uso do medicamento são nasofaringite e cefaleia[vi].

    Além dos tratamentos medicamentosos que controlam a doença e melhoram a qualidade de vida, é recomendado que os pacientes tenham acompanhamento psicológico devido à intensidade dos sintomas que impacta também a autoestima[vii]. 

    Por conviverem com sintomas limitantes, os pacientes podem ficar mais suscetíveis a ter depressão e ansiedade, o que pode afetar ainda mais o quadro clínico, em um ciclo bem desafiador. Por isso, os pacientes que aderem ao tratamento correto de forma adequada têm mais chances de controlar a doença e, consequentemente, voltar a fazer atividades comuns do dia a dia, como ir ao cinema ou viajar, finaliza o Dr. Rogerio.

    Sobre ustequinumabe

    O ustequinumabe é um anticorpo monoclonal totalmente humano e inibidor seletivo das interleucinas IL 12 e 23. O medicamento é indicado para o tratamento da psoríase em placas, moderada à grave, em adultos que não responderam, que têm uma contraindicação ou que são intolerantes a outras terapias sistêmicas. Também é indicado para pacientes adultos com artrite psoriásica ativa e para o tratamento da Doença de Crohn ativa de moderada à grave. Os principais riscos dos medicamentos biológicos são o surgimento de infecções ou reativação de infecções latentes.

    Sobre a Janssen

    Na Janssen, estamos criando um futuro no qual as doenças são parte do passado. Somos a empresa farmacêutica da Johnson & Johnson, trabalhando incansavelmente para fazer com que esse futuro seja uma realidade para pacientes de todos os lugares. Combatendo as doenças com ciência, melhorando o acesso com engenhosidade e curando a falta de esperança com paixão. Focamos nas áreas da medicina em que podemos fazer a maior diferença: Oncologia e Hematologia; Imunologia; Neurociência; Doenças Infecciosas e Vacinas; Hipertensão Pulmonar; e Cardiovascular e Metabolismo. Para saber mais, acesse www.janssen.com/brasil. Siga a Janssen Brasil no Facebook e no LinkedIn, e também a página de Carreiras J&J Brasil no Instagram, Facebook e LinkedIn.

    Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. é uma das Empresas Farmacêuticas da Johnson & Johnson.

    [i] DOU N°209. Resolução-RE Nº 3.037 de 29 de outubro de 2019. Registro de nova indicação.
    [ii] http://academic.oup.com/ecco-jcc/article/11/7/769/2962457
    [iii] Gasparini, R. G., Sassaki, L. Y. & Saad-Hossne, R. Inflammatory bowel disease epidemiology in São Paulo state, Brazil. Clin. Exp. Gastroenterol. 11, 423 (2018).
    [iv] Sands BE at al. N Engl J Med 2019;381:1201-1214.
    [v] http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0896841115300147?via%3Dihub
    [vi] Bula de ustequinumabe: Acessado em outubro de 2019. Disponível em: http://www.janssen.com/brasil/sites/www_janssen_com_brazil/files/prod_files/live/stelara_pub_vp.pdf
    [vii] http://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/nmo.13647

    Nenhum comentário