• Novidades

    Conheça seus direitos em voos e nos aeroportos

    Além de ficarem ligados em casos de cancelamentos e atrasos em voos, os passageiros também questionam os preços cobrados nos aeroportos em pesquisa feita pela AirHelp

    Foto: Pixabay
    Na grande maioria dos casos, viajar é uma festa e um momento de descontração. Mas, como em qualquer outra ocasião cotidiana, problemas podem acontecer. Seja um avião atrasado para decolagem, um cancelamento ou bagagem extraviada pode fazer o mais bonito sonho virar um pesadelo terrível.

    Por isso, existe a AirHelp, que tem como meta lutar pelos direitos de compensação dos passageiros, responsabilizando as companhias aéreas por interrupções de voo que estão fora do controle do consumidor. Para isso, a empresa elimina o estresse de solicitar a compensação de atraso de voo, fornecendo muitas ferramentas para tornar o processo o mais fácil possível para o viajante afetado.

    Além disso, a AirHelp traz pesquisas e assuntos importantes e curiosos para os passageiros se sentirem ainda mais confiantes e informados quando forem viajar.

    Bagagens custam caro

    Em um estudo idealizado pela AirHelp e realizado pela Attest, a empresa perguntou a opinião de pessoas que frequentam aeroportos sobre as taxas cobradas por companhias aéreas pela bagagem no momento do embarque e, 73% dos entrevistados, afirmaram que acreditam estar pagando muito nos portões de check in. Para 20% das pessoas, o preço que está sendo cobrado é o correto.

    Além disso, essa pesquisa realizada com 750 brasileiros mostra que para 50% das pessoas o preço dos produtos nos Duty-free, local que é isento da cobrança de impostos, são ou caros ou muito caros. A pesquisa também mostra que 38% das pessoas acreditam que é cobrado um preço justo.

    Um outro estudo feito pela AirHelp mostra que 87% dos passageiros não estão cientes de seus direitos quando enfrentam interrupção de voo, mostrando que a falta de conhecimento  sobre os direitos atinge grande parte dos viajantes.

    Um dos motivos que a AirHelp é uma perfeita solução para os viajantes é que ela traz conhecimento, mostrando os direitos dos passageiros e de como fazer uma viagem sem sustos. Todos os anos, quase nove milhões de pessoas têm direito a compensação por voos atrasados e cancelados, têm o embarque recusado. A AirHelp é a solução perfeita para os brasileiros frustrados que sofreram atrasos que estão fora de controle, oferecendo a esses viajantes uma experiência livre de problemas para obter a compensação que lhes é de direito, afirma Paloma Salmeron, diretora de comunicação da AirHelp.

    Saiba seus direitos

    De acordo com a EC261, cancelamentos de voo, atrasos superiores a três horas e recusas de embarque podem permitir aos passageiros uma compensação de até aproximadamente R$ 2.500,00 (US$ 700,00) por pessoa. Isto abrange todos os voos que partem da União Europeia, bem como aqueles que chegam a um aeroporto da UE, ou ainda operados por uma transportadora europeia. Os passageiros têm direito legítimo a compensação se a interrupção for considerada de responsabilidade da companhia aérea. O montante da compensação devida é calculado a partir da distância. Passageiros afetados podem reivindicar compensação até três anos após o vôo.

    Sobre a pesquisa:

    A pesquisa foi realizada usando a Attest, uma plataforma de inteligência do consumidor. A AirHelp falou com 750 participantes no Brasil, entre 13 e 14 de março de 2019. O público de consumidores da Attest inclui entrevistados que foram recrutados em centenas de painéis e fóruns com uma variedade de incentivos para garantir dados representativos de alta qualidade.

    Sobre a AirHelp


    A AirHelp é a maior organização do mundo especializada em direitos de passageiros aéreos, ajudando os viajantes a obter compensação por atrasos ou cancelamentos de voos e em casos de recusa de embarque. A empresa também toma medidas legais e políticas para apoiar o crescimento e a aplicação dos direitos dos passageiros aéreos em todo o mundo. A AirHelp já ajudou mais de 10 milhões de pessoas, está disponível em 30 países e conta com mais de 600 funcionários.

    Nenhum comentário